Marcel van Hattem e Lucas Redecker reúnem-se com o embaixador do Uruguai para tratar das enchentes do RS

O Uruguai estava disposto a enviar um avião KC-130 para transporte, duas lanchas e dois sistemas de drones. O embaixador se demonstrou disposto a refazer a oferta de ajudar o Estado.
9 de maio de 2024

A reunião foi realizada na presidência da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional da Câmara dos Deputados

Na noite desta quarta-feira (8/5), os deputados federais Marcel van Hattem (NOVO/RS) e Lucas Redecker (PSDB/RS) participaram de uma reunião realizada na sala da presidência da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CREDN), com o Embaixador do Uruguai no Brasil, Guillermo Valles. Na ocasião, o embaixador uruguaio confirmou que o governo federal brasileiro recusou novos materiais de apoio essenciais para o salvamento e o resgate das vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul (RS). 

Segundo ele, o Uruguai estava disposto a enviar um avião KC-130 para transporte, duas lanchas e dois sistemas de drones. No início do mês de maio, o país vizinho havia emprestado um helicóptero Bell 212, da Força Aérea Uruguaia (FAU), com oito pessoas, entre pilotos, copilotos, técnicos e socorristas, hoje baseado em Santa Maria. 

Após a imprensa divulgar a notícia, o Palácio do Planalto emitiu uma nota oficial negando que o Brasil tenha recusado a assistência do Uruguai ou de qualquer outro país. Marcel, que é presidente da Comissão Externa sobre danos causados pelas enchentes no RS e membro da CREDN desde 2019, se mobilizou para buscar informações verdadeiras.

No encontro, o embaixador se demonstrou disposto a refazer a oferta de ajudar o Estado. “Felizmente, quando pedimos se era possível uma reconsideração, o embaixador do Uruguai nos informou que a oferta continua de pé. Assim, já solicitamos ao governo federal que reconsidere a negativa e, agora, aceite a oferta humanitária dos nossos vizinhos. O mais importante, nesse momento, é salvar vidas. Todo apoio é fundamental e não pode ser desprezado! Pessoas ainda estão morrendo afogadas no Rio Grande do Sul. Que a gente consiga, dentro das responsabilidades dos nossos cargos, fazer com que as coisas sejam feitas sem politização e sem polêmicas”, destacou o deputado do NOVO.

Mais notícias